quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Entrevista com Autor #3

Postado por Livreiro às 09:25

  A entrevistada de hoje não é uma autora, mas como o mundo mangá se aproxima cada vez mais do mundo literário. Porque não fazer uma entrevista com uma cosplayer e sentir um pouco desse maravilhoso mundo desconhecido pela maioria de nós?

Obrigado Sandy Thaís ( ou Claire Evil) por conceder a maravilhosa entrevista.





 De onde surgiu tamanha vontade para ser cosplayer?
Desde pequena eu sempre gostei de animes e mangas, porque as histórias e os traços passavam emoção, faziam com que quem assistisse entrasse na história de tal forma a esquecer as linhas que distinguem realidade e fantasia, diferentemente de outros desenhos que eu gostava na época. Eu ficava realmente impressionada e maravilhada com aquilo tudo, e pensava que seria muito bom fazer parte daquele mundo surpreendente. E eu ficava irritada com o fato de a vida real ser tão sem graça se comparada aquilo. Então, mais ou menos aos 12 anos, surgiu minha primeira oportunidade de cosplay, que representou pra mim não só uma chance de sair por ai vestindo a roupa dos personagens que eu gostava, mas também entrar naquele mundo, e fazer parte dele ainda que por um instante. Claro que na época, eu era nova, e hoje em dia amadureci bastante com relação a ser cosplayer. Algo que levo muito a sério aliás.

Você que faz suas roupas?
Algumas eu fiz, outras eu comprei e modifiquei (as roupas compradas quase sempre vêm faltando detalhes, e pra mim detalhes são bem importantes, pois aproximam mais o cosplayer do seu personagem, então acho melhor fazer as roupas eu mesma).

Você acha que o cosplay explora mais a fantasia ou a sensualidade mesmo ou os dois ao mesmo tempo? Por quê?
Eu acho que um pouco dos dois. Mas sensualidade é elemento secundário. O mais importante é explorar a fantasia. Porque? Bem, pra começar o objetivo principal de fazer cosplay é se transformar em seu personagem, então sensualidade seria apenas um bônus track, já que nessas ocasiões você pode usar roupas incomuns e ver que vai ter milhões de pessoas fazendo o mesmo. Mas e importante ressaltar uma coisa, uma regra do teatro que praticamente “dita” as regras de ser cosplayer, e que muitas pessoas esquecem. Há cosplayers que representam, e há cosplayers que interpretam. Mas qual a diferença?
Representar é estar no lugar de outra pessoa. Interpretar é observar, analisar e refletir. Ou seja quem interpreta se transforma, vira o personagem, e este é o objetivo, fazer o publico acreditar que é real. Não apenas vestir roupas bonitas, tirar milhares de fotos e dizer “eu sou cosplay”. Ser cosplay e muito mais que isso, é a essência de que por pelo menos durante um dia, você é aquilo que gostaria de ser, e que um mundo irreal se funde com a realidade. E claro, divertir-se. Porém hoje em dia há uma certa “banalização” em ser cosplayer, mas enfim.



Gosta de animes? Se sim, qual o preferido?

Sim, muito. Não tenho um preferido, tenho vários preferidos. Acho que seria uma lista muito grande, se eu citasse todos. Eu gosto de vários gêneros mas Shōjo seria meu favorito.
Você já viajou para participar de eventos para cosplay ? Se sim, para onde?
Sim, Belo horizonte e São Paulo.



Fotos dela:

Cosplay de Integra – Helsing

http://migre.me/5kk7i

http://migre.me/5kk95

http://migre.me/5kk9U

http://migre.me/5kkb0

http://migre.me/5kkcl


Cosplay Aya brea – Parasite Eve

http://migre.me/5kke6

http://migre.me/5kkfi



Amane Misa – Death Note

http://migre.me/5kkhF

http://migre.me/5kkiU

http://migre.me/5kkkt


Lentes para um projeto de Trish – Devil May Cry e um outro que ainda é segredo, haha

http://migre.me/5kkml

http://migre.me/5kko7

http://migre.me/5kkp4
 E para quem quiser conhecer ainda mais o mundo cosplay, sugiro um blog parceiro o: Anime Daiki

0 comentários:

Postar um comentário

O seu comentário é importante para nós. Comente. :)

 

Confins da Leitura Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos