sábado, 5 de janeiro de 2013

Por que lemos sobre o amor?

Postado por O Livreiro² às 15:51
 O amor é puro, o amor é simples, mas ao mesmo tempo complexo, tão complexo que nem mesmo as palavras mais belas dos poetas mais inspirados conseguiria transcrever um pedaço desse sentimento.
 Porém, nós, humilde leitores e escritores, tentamos de todas as formas entender o amor, tentamos entender o significado do prazer em ver aquele que ama sorrir pra você ou ainda aquela sensação eletrizante que lhe toca quando sua mão roça na do seu amor. Posso ainda citar os seus olhos brilhando quando você vê uma pessoa que ama depois de muito tempo sem se ver, não precisa ser necessariamente seu namorado, pode ser apenas um velho amigo ou um parente há muito esquecido. Posso citar ainda aquele sentimento desesperador da saudades, de você saber que vai demorar para ver quem você ama novamente, mesmo que esta pessoa esteja nitidamente na sua memória em todos os instantes. 

 Os maiores autores dizem que o amor é uma flor, afinal às vezes machuca, bastante. Mas pense nos girassóis, eles não fazem um campo mais bonito? Pense nas rosas, elas podem machucar com seus espinhos, mas não são tão belas? Amor é o que eu gostaria que sentissem por mim, todos os dias, todas as horas, todos os instantes.

Eu acredito que o amor tudo supera, não digo que desafios e brigas não haverão. É muita pretensão querer construir a mais bela torre do mundo sem deixar nenhum tijolo quebrar. 

Faz muito que tento entender a diferença do amar, gostar, apaixonar. Cheguei a pura conclusão que se apaixonar é ilusório, é o simples consumismo jogado ao amor. Quando você gosta de uma pessoa são somente as sombras do amor, o começo de uma história que pode acabar do jeito que você quiser, tudo depende de você.

Se você ama, seja você mesmo. Sei que às vezes você gostaria de ser diferente, eu mesmo tenho vergonha de ser o que sou e como sou, todos temos, você não pode forçar uma pessoa a te amar, só pode dar bons motivos para que ela o ame.

Não se desespere, assim que ler esse texto não vá correndo dizer pra seu amor que o ama, apenas trate-a melhor, seja melhor. Se você é casado ou namora, reflita em como você é sortudo, dentre bilhões de pessoas nesse mundo onde todos são diferentes, você encontrou a pessoa que te completa mesmo que ela seja extremamente diferente que você, ela ainda consegue te fazer sorrir. Vá até a floricultura mais próxima e mande entregar rosas na casa dela ou vá até a casa dele. 

Te desafio a dizer que ama quem você ama, este é o único jeito de se construir uma história de amor. Arrisque-se. Você não ganha um jogo, se você não aposta algo.

" Desse amor ninguém jamais saberá formulas ou definições, apenas sentirá, a dor e alegria de amar..."


 ATUALIZAÇÃO 09/01

Não leve em conta o que eu disse nos penúltimos parágrafos, vá e diga a sua amada que a ama porque talvez amanhã seja tarde demais. Sem mais. Seja feliz com ela.

2 comentários:

Amanda Cristina on 5 de janeiro de 2013 16:29 disse...

Gabriel, adorei seu texto. O amor é exatamente assim... Não vou entrar em detalhes, porque já te falei muito no Facebook, mas é daquela maneira. Às vezes torto, confuso, errado, mas continua sendo amor.
Espero um dia encontrar alguém assim, que consiga me completar. Que me ame como sou e que eu o ame assim também.
Você escreve muito bem. Meus parabéns!

Beijinhos!

Luana on 6 de janeiro de 2013 01:00 disse...

A resposta para a pergunta do título desse post reside no fato de que os escritores e nós leitores transformamos o amor no elixir da vida. Não precisamos ser eternos no mundo de todos, precisamos ser eternos no mundo de alguém. Amar é uma dádiva e tanto e ser amado é um presente.
Lemos sobre o amor porque gostamos ou gostaríamos de senti-lo. Não só sentir aqueles sintomas básicos de paixão, de gostar de alguém, mas aquele sentimento bem doido que faz você ceder, perdoar e ser uma pessoa melhor.
Como você bem disse não é possível descrever tal sensação, são séculos de tentativas e nem sempre nós (escritores ou leitores) conseguimos.
O amor mora naquela lembrança do teu pai te levando pela mão, no cheio de comida da sua mãe, no sorriso. O amor estava aqui no seu texto, mas ele deu uma saidinha para visitar outros por aí.
Beijos e obg por ter compartilhado o seu amor.

Postar um comentário

O seu comentário é importante para nós. Comente. :)

 

Confins da Leitura Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos