segunda-feira, 28 de maio de 2012

A Pirâmide Vermelha #Resenha

Postado por Willian Iuri às 14:42
Desde a morte da mãe, seis anos atrás, Carte Kane tem viajado o mundo com o pai, o brilhante egiptólogo Dr. Julius Kane. Ele não freqüenta a escola e seus pertences cabem em uma única mala. Enquanto isso, Sadie, sua irmã mais nova, é criada pelos avós em Londres. Ela tem tudo o que Carter queria: casa, amigos e a chance de levar uma vida ‘normal’. E ele tem tudo o que ela mais deseja: o convívio com o pai. Depois de tanto tempo separados, os irmãos não tinham praticamente mais nada em comum. Até agora.


Ponto Forte: A mesma genialidade usada em Percy Jackson & os Olimpianos, foi utilizada em As Crônicas dos Kane. Esse mundo de deuses mitológicos e tudo mais, me fascina cada vez mais, e o titio Rick sabe muito bem fazer isso, né ?! É inevitável não comparar Percy com os Kane, e também é inevitável não amar Rick e sua originalidade. Como diz o ditado, em time que está ganhando, não se mexe e foi isso que ele fez. E muito bem. A capa ficou linda. A Pirâmide Vermelha, um sinônimo de muita ação e originalidade, para os amantes de Rick e suas criações.

O autor, coloca como nome dos capítulos, coisas engraçadas que se desenrolam no capítulo, como por exemplo, a maneira como Carter vê os monstros, em seu bom-humor, e isso deixa o livro com um certo ar cômico, e prende o leitor a tentar descobrir o que esse tal capítulo desvenda.


Ponto Fraco: Esse livro na verdade, tem poucos pontos fracos. A não ser o fato de que os capítulos vão se alternando entre Carter e Sadie, como narradores. Isso para uns pode ser algo bom, diferente. Para outros, algo confuso, o que pode complicar a leitura de muitos. Um tanto subjetivo.
___________________________________________________________________________

"Tudo na Criação tem um nome secreto - explicou Tot. - Até os deuses. Conhecer o nome secreto de um ser significa ter o poder sobre essa criatura."

Página 257
___________________________________________________________________________

3 comentários:

Arthur Freitas (Satierff) on 29 de maio de 2012 08:33 disse...

Você considerou um ponto fraco o fato da narração alternada, eu até gosto ;D
Em Calafrio existem essas alternadas, e eu gostei de estar na mente dos dois protagonistas ;d

Enfim, pra mim foi bacana a experiência, mas como você disse, pode ser ruim também.
Ótimo texto! Parabéns.

Abração!
satierff.blogspot.com
@osatierff

C.J on 29 de maio de 2012 09:12 disse...

Também gosto de narração alternada. Em o crime e o burgues, clássico de carlos heitor cony, tem duas contos narrados por dois personagens diferentes, o que é legal porque você capta mais informações não registradas por um ou outro. É como se os dois se complementam, entende?!

Eu sei que PJ deve ser boa leitura. Eu particularmente ainda não li. Mas algumas pessoas leram e disseram que o livro é assim muito infanto. Tipo, Percy é imaturo: faz e pensa coisas que obviamente não vai prestar, enquanto é facilmente ludibriado, etc. Foi mais ou menos isso. Conclusão: disseram-me que o livro é meio pra faixa dos doze anos. Mas, e você? o que acha?

att., CJ

Gustavo Viotto Gonçalves on 17 de julho de 2012 13:52 disse...

uma coisa eu sei! Eu odiei o SET! Ele eeh muito chatoooo e onde se pode achar uma pessoa (ops, "deus") tao chato assim???

Postar um comentário

O seu comentário é importante para nós. Comente. :)

 

Confins da Leitura Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos