quarta-feira, 6 de julho de 2011

A Cabeça do Décimo Terceiro #1

Postado por Livreiro às 09:38
 Prólogo

—Você sabe que nunca mais vai ver o pôr do sol se disser não?
—Nunca gostei do pôr do sol.
—Nunca mais vai ver a vida.
—Depois de tantos milênios acho que já enjoei dela.
—Então a resposta é não?
—Sim, demônios devem ficar onde sempre estiveram.
—Mesmo que para isso tenham de morrer muitos soldados, pais de família?
—Não venha com sentimentalismo, você mesmo já matou mais do que se consiga contar.
—Matei por que tinha honra.
—Honra pelos demônios.
—Honra é honra não importa de onde venha ou se dirija.
—Isso não é problema meu.
—É mais do que você imagina, muito mais.
—Se eu aceitasse, qual seria meu papel?
—Não se faça de bobo, você sabe que para abrir um portal é preciso dos Treze.
—E o que eu ganharia?
—Honra.
—Por você ou pelo demônio?
—Minha, mas se serve para consolá-lo eu já fui um demônio.
—Quando será?
—Na noite mais longa do ano.
—O demônio vai precisar sugar forças, quem serão os atributos?
—Prisioneiros de guerra, humanos imprestáveis.
  Décimo Terceiro virou, abriu suas asas brancas afiadas, tinha asas, tinha coração, não era um anjo, na verdade estava muito longe disso.       
   Chegou ao que ele chamava de casa, e iria dormir, não por necessidade, poderia ficar milênios sem dormir, como fizera em tempos remotos, na época que anjos e demônios ainda dominavam a terra. Foi dormir, e um rápido pensamento lhe passou á cabeça, essa poderia ser a última noite que conseguiria dormir bem, e ele tinha razão. Pensou que algo muito ruim estava para acontecer. Ele acertou.

4 comentários:

Aione Simões on 6 de julho de 2011 12:41 disse...

Bem interessante ^^
Esperarei a continuação!
Beijos!
PS: Se gostar de marcadores de livros, tá rolando a primeira promoção no meu blog, da uma passada lá! www.minha-vida-literaria.blogspot.com

Cinha on 7 de julho de 2011 09:59 disse...

Olá,
gostei muito do blog, tudo muito bem separado.
Parabens pelo blog.

Abraço,
Cinha

Agatha_Borboleta on 10 de julho de 2011 16:51 disse...

ótima história... tem alguma frequencia certa ou eh qd der na cabeça?

O Livreiro² on 17 de janeiro de 2012 09:15 disse...

É, uma história que nunca saiu dos primeiros capítulos.

Postar um comentário

O seu comentário é importante para nós. Comente. :)

 

Confins da Leitura Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos